São Paulo, 8 de dezembro de 2017

Debate e conciliação no PSDB

Compor para avançar é uma das principais, senão fundamental, arte da política. Em partidos democráticos e sem um dono, como o PSDB, disputas acontecem e são normais.

Porém, em um momento como o atual vivido pelo partido, de pouca discussão de sua política interna, uma disputa pode levar a extremismos e a depender do resultado desta, a rompimentos.

A eleição de Geraldo Alckmin como presidente do PSDB nacional – sendo ele também o provável candidato tucano à Presidência da República – com o apoio de diferentes frentes significa uma importante possibilidade de entendimento.

Mas devo destacar o primeiro e fundamental desafio do novo presidente: buscar tal entendimento mediante a discussão clara de temas, bandeiras e objetivos a serem atingidos. Isso porque qualquer situação diferente desta apenas adiará um embate inevitável.

Em um segundo momento, ele deverá ocupar-se em formar uma executiva plural, para que no embate eleitoral de 2018 o partido esteja unido e pronto para enfrentar missões futuras. A sublinhar: o vice-presidente do PSDB deverá ser tão hábil quanto Alckmin, para comandá-lo com a mesma competência quando este retirar-se para disputar a eleição.

Por fim, do ponto de vista político, Geraldo Alckmin tem um perfil conciliador. Colabora para isso o fato de já ter sido presidente do diretório estadual do partido em São Paulo. Confio muito em sua capacidade para o cargo mais importante do partido e em sua habilidade para apaziguar ânimos internos.

Desejo-lhe boa sorte como novo presidente do PSDB!

Tags: , ,

[manual_related_posts]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *